sábado, 9 de abril de 2011

A minha vida é esta


A minha vida é esta
Correndo, correndo
Estando parada.

Corro nas areias
Com os pés nus
Calcando conchinhas
No meio de estrelinhas
Como as sereias
De lados nenhuns.

Plano nas nuvens
Entre pássaros de mil cores
Abraço o sol
Entrego os sonhos à lua
Sonho-me tua
De alma nua
saboreio as flores
afago o girassol
e volto planando
numa dor crua

Corro na serra
Entre urze rosada
Colho rosmaninho
E giesta orvalhada

Corro e não paro
A alma doendo
Entreabro os olhos
continuo sofrendo

A minha vida é esta
Sonhando correndo
Correndo, correndo
Estando parada
Pasmada
Sofrendo calada
Parada.

A minha luta continua...mas por entre as núvens vou vendo as minhas estrelas em especial a Alzira, que me quer ver correr, saltar e rir.
Para todos vós um doce beijo, com cheiro a rosmaninho
da vossa Pó de Estrela

2 comentários:

BRANCAMAR disse...

Lindíssimo este poema de vida e que as tuas estrelas brilhem muito...

Adorei pssar por aqui hoje.
Peço desculpa por muita ausência, que tem sido quase generalizada, por várias mudanças e falta de disponibilidade.
Adorei encontrar de novo este espaço, tão lindo que está e pleno de bonitos conteúdos.
Deixo beijinhos.
Branca

Pó de Estrela disse...

Obrigada Branca
eu tenho passado pouco aqui porque a minha vida não tem sido muito risonha. Eu bem tento voltar mais vezes, mas ...fica sempre no mas!
Beijinhos com Pó de Estrela